Topo
destaque Teatro

‘Jongo Mamulengo’, dia 27 de maio, no Teatro Ipanema

Com direção de Adriana Schneider, espetáculo conta a história

do samba e do jongo no Morro da Serrinha com bonecos de mamulengos. O projeto é uma parceria com o Jongo da Serrinha e o Cordão do Boitatá

Foto Cristiane Cotrim

Numa elebração à cultura brasileira, com foco em três patrimônios imateriais do país, o Coletivo Bonobando apresenta seu primeiro infantojuvenil: o espetáculo Jongo Mamulengo, parceria com o Jongo da Serrinha e o Cordão do Boitatá, que estreia dia 27 de maio, no Teatro Ipanema, com direção de Adriana Schneider. Na montagem, o jongo, o samba e o mamulengo (teatro de bonecos popular de Pernambuco) são os protagonistas da história contada por atores, músicos e os bonecos confeccionados pelo especialmente pelo Mestre Zé Lopes, mamulengueiro pernambucano. No mesmo teatro, o coletivo, formado por jovens de territórios populares do Rio, vai apresentar o seu já bem-sucedido espetáculo adulto, Cidade Correria. Elogiada por crítica e público, a montagem apresenta uma cidade caótica, com cenas que transbordam urgências cotidianas, contradições, alegrias, delírios, feridas e potências.

 

O Coletivo Bonobando surgiu em 2014 a partir de uma residência artística realizada na Arena Carioca Dicró, na Penha e, em 2016, iniciou uma parceria artística com o Jongo da Serrinha (ONG que há 50 anos desenvolve trabalhos artísticos e culturais no Morro da Serrinha). O infantojuvenil Jongo Mamulengo nasceu a partir desse encontro cultural e se propõe a contar, de maneira lúdica e poética, a história do jongo e do samba no contexto do Morro da Serrinha, com mamulengos que representam importantes figuras históricas como Vovó Maria Joana, Mestre Darcy, Silas de Oliveira, Mano Décio, Aniceto do Império, Tia Ciata, Clara Nunes, Dona Ivone Lara, Tia Maria do Jongo e Princesa Isabel.

 

O processo envolveu um intercâmbio dos jovens artistas do coletivo com o mamulengueiro Zé Lopes, da Zona da Mata de Pernambuco, também responsável pelos mais de 20 bonecos que estão no espetáculo. No palco, integrantes do Jongo da Serrinha e do Cordão do Boitatá também estarão em cena tocando e dançando.

 

A história de “Jongo Mamulengo” também passa pelo surgimento das primeiras favelas e Escolas de Samba da cidade e pela forte presença de personagens femininos no fortalecimento do jongo e do samba – mulheres como Dona Ivone Lara, Tia Ciata, Vovó Maria Joana e Tia Maria do Jongo. “O Jongo Mamulengo é um casamento perfeito entre todos esses grupos e artistas”, celebra Adriana Schneider, que trabalhou no processo de registro do mamulengo como patrimônio imaterial do país. A gente criou os bonecos inspirados em pessoas que são fundamentais na trajetória do jongo e do Império Serrano. Temos o boneco do Mestre Darcy (que dedicou a sua vida à manutenção e à divulgação do jongo), por exemplo, que é quem vai funcionar como apresentador da peça e costumar as histórias que são contadas no quintal da Vovó Maria Joana, mãe dele”, acrescenta a diretora.

 

Ficha Técnica:

Dramaturgia e texto: Coletivo Bonobando

Com: Karla Suarez, Lívia Laso, Marcelo Magano, Patrick Sonata e Thiago Rosa

Músicos: Anderson Vilmar, Cristiane Cotrim, Lazir Sinval, Luisa Marmello, Luiz Flavio Tournillon Alcofra, Ricardo Cotrim e Thiago Queiroz

Direção e metodologia de dramaturgia: Adriana Schneider

Colaboração: Lucas Oradovschi

Bonecos: Mestre Zé Lopes, Adrianna Trivelato e Thiago Rosa

Direção musical: Lazir Sinval, Luisa Marmello e Ricardo Cotrim

Figurino, cenário e adereços: Adrianna Trivelato

Concepção do projeto: Dyonne Boy

Iluminação: Lelê Santiago e Lucas Oradovschi

Produção: Karla Suarez

Assistência de produção: Damiana Alves

Produção executiva: Dyonne Boy e Marcelo de Brito

Comunicação: Hugo Bernardo, Karla Suarez, Lívia Laso e Marcelo Magano

Assessoria de imprensa: Rachel Almeida

Artes: Alcinoo Giandinoto

Realização: Jongo da Serrinha, Coletivo Bonobando, Grupo Pedras de Teatro e Cordão do Boitatá

 

Serviço:

Teatro Ipanema: Rua Prudente de Moraes, 824, Ipanema

Telefone: 2267-3750

Temporada: de 27 de maio a 18 de junho

Dias e horários: sábados e domingos, às 16h

Preço: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia)

Lotação do teatro: 192 pessoas

Duração: 50 minutos

Classificação indicativa: livre

 

 

Curtiu? Compartilhe!

Deixe seu comentário