Topo
destaque Variedades

Do ponto de vista sexual, a vasectomia representa um benefício para o casal

Foto: Reprodução

Vasectomia é um procedimento cirúrgico que interrompe a circulação dos espermatozoides produzidos pelos testículos e conduzidos através do epidídimo (órgão que se localiza na parte superior dos testículos) para os canais deferentes que desembocam na uretra.
Trata-se de um método de contracepção muito seguro que secciona os dois deferentes. Muitos homens, porém, se recusam a fazer essa cirurgia porque imaginam que ela possa provocar distúrbios de ereção, no que estão completamente enganados. A vasectomia torna o homem estéril, mas não interfere na produção de hormônios masculinos nem em seu desempenho sexual.
Para o médico Urologista Dr. Lessandro Curcio Gonçalves  O procedimento é simples. “O indivíduo precisa estar em jejum. Na sala de cirurgia, é feita uma sedação , uma pequena infiltração local com anestésico e uma incisão de 1cm na transição entre o pênis e o escroto. A seguir, corta-se o deferente, interpõe-se tecido conjuntivo entre os dois pontos para não recanalizar e fecha-se a incisão. O paciente está liberado para voltar para casa. Indico a aplicação de gelo local de 12/12 horas, por 2 dias e o retorno ao trabalho é em 3 dias”. De acordo com a lei 9.263, publicada no Diário Oficial da União em agosto de 1997, a vasectomia pode ser feita em qualquer homem com mais de 25 anos ou, pelo menos, com dois filhos vivos ou nos casos onde a gravidez do cônjuge poderá gerar risco de vida. Ou seja, a legislação brasileira permite que ela seja realizada mesmo em que não tem filhos.
O curioso é que, em 2% ou 3% dos casos, por alguma razão, a ligadura da parte que vai do testículo para o deferente, forma um granuloma espermático e vasa um pouco de esperma. Por isso, depois de um ou dois meses( após em média 20 ejaculações), quem fez vasectomia deve fazer um espermograma, já que a possibilidade de gravidez existe, uma vez que ainda pode haver espermatozoides no esperma.
A vasectomia não altera a produção nem a quantidade de líquido espermático eliminado na ejaculação. Talvez, ele fique um pouco mais fluido do que o esperma normal, mas isso não é sequer percebido. Não existe nenhum prejuízo ou vantagem orgânica objetiva com relação à potência ou à performance sexual. O que melhora é a libido do vasectomizado, porque ele passa ter relações sem preocupação. Além disso, a mulher se solta e passa a ser mais participativa, porque desaparece o medo de engravidar. Como se vê, do ponto de vista sexual, a vasectomia representa um benefício para o casal.
Curtiu? Compartilhe!

Deixe seu comentário